Blog do Pannunzio

O que há de concreto até o momento sobre o acidente da AF-447

 

Foi um dia de poucas notícias e muita especulação sobre a causa do acidente com o Airbus A-330 da Air France. De concreto, sobrou pouca coisa.

Vamos ao que está certo:

– A arenonave decolou às 19h30 do Galeão. O vôo interceptou a base do CINDACTA de Natal e seguiu normalmente na direção nordeste. Passou ao largo de Fernando de Noronha, deixando o arquipélafo à direita.

– Cruzou o chamado ponto INTOL, a 556 quilômetros de distância de Natal, a 11 mil metros de altitude, com velocidade de 840 km\h. Estava tudo bem. Eram 22h33.

– O próximo ponto que deveria ser “reportado” era TASIL, referência abstrata que estabelece o limite meridional da jurisdição brasileira, por onde o AF-447 teria que passar às 23h20. Não passou.

– Seis minutos antes, um alerta automático é recebido pelos computadores da Air France, em Paris. Dá conta de uma pane elétrica e despressurização. Eram 23h14, o horário da tragédia.

– 40 minutos depois, um piloto da TAM, fazendo a rota inversa, observa pontos alaranjados da superfície do oceano. Estava a cinco minutos de adentrar o espaço aéreo brasileiro. Só depois de pousar no Brasil é que o piloto deu importância ao que observara. Comunicou imediatamente a companhia e, por meio dela, as autoridades aeronáuticas.

– Os preparativos para as buscas foram acionados às 2h10 minutos. Até então, controladores de vôo apenas alertaram o centro de controle de tráfego aéreo de Dakar sobre o possível desaparecimento da aeronave.

– Os aviões brasileiros destacados para as buscas estavam muito distantes. A maior parte foi deslocada do Centro-Oeste. A primeira missão de reconhecimento só começou no fim da tarde, com pouca luz. O ponto mais oriental do território brasileiro fica a dois meridianos de Brasília — portanto, anoitece duas horas mais cedo.

– A autonomia das aeronaves da FAB é pequena para as distâncias envolvidas nessas missões. Segundo o Coronel Jorge Amaral, sub-chefe de comunicação da FAB, o Bandeirante R-99 precisa voar duas horas a partir de Fernando de Noronha para atingir o ponto presumível do acidente. Só aí é que começa a  vasculhar a superfície do oceano em busca de vestígios. Mas o combustível não é suficiente para mais de uma hora de sobrevoo. Assim, o Bandeirante precisa voltar à base para reabastecimento. Ou seja: o que se consegue é, no máximo, uma hora de varredura a cada cinco horas de voo.

– Apostar na hipótese de que há sobreviventes não é acreditar em milagres. É estupidez mesmo. Não houve nenhuma emissão dos transmissores de localização de emergência que equipam as aeronaves e os botes salva-vidas. É uma tristeza, mas evidencia que o Airbus deve ter se destorçado em pleno ar, triturado pelas enormes forças que atuam sobre um bólido que se desloca a quase 900 km\h.

– A tragédia que se cria a partir de acidentes aéreos tem uma drasticidade capaz de gerar um enorme comoção. Afinal, mais de 50 brasileiros estavam nesse avião. Mas não é a pior tragédia do dia, de nenhum dia. Somente nessas primeiras 24 horas de buscas, 136 brasileiros perderam a vida nas péssimas rodovias do país. Mas essas essas pequenas tragédias não comovem a população, que segue se matando ao volante sem cobrar dos políticos que cessem esse interminável genocídio rodoviário.

 

 

Comentários

Related posts

TJDFT mantém liminar que bloqueia bens de Eurides Brito

Confira na íntegra carta do PDT anunciando saída do governo do DF

Destaques dos jornais de hoje – Correio Braziliense

Leave a Comment