Jornalismo Notí­cias Polí­tica

Lula, o censor, por Ricardo Noblat

Indique a resposta certa:

Por que Lula repete com tanta insistência que o PT não precisa da opinião de “formadores de opinião” para saber como se comportar com decência?

Opção A: Porque a opinião dos “formadores de opinião” rejeitada por ele costuma ser contrária ao modo de o PT se comportar. Se fosse favorável, ele não reclamaria;

Opção B: Porque detesta “formadores de opinião” em geral e alguns em particular. Beneficia-se da opinião daqueles que o reverenciam, mas nem desses gosta muito;

Opção C: Porque a crítica aos “formadores de opinião” lhe garante largo espaço nos meios de comunicação. Isso massageia seu ego e atrai a solidariedade dos petistas;

Opção D: Nenhuma das opiniões acima;

Opção E: Todas as opiniões acima.

 

Foto: Ricardo Stuckert

 

(Não responda sem antes refletir um pouco. Lula é um cara complexo. Salvo a turma de sua época de sindicalista, poucos o conhecem de fato. Por esperto, espertíssimo, engana correligionários e adversários com facilidade. Com frequência não diz o que pensa, mas o que seus interlocutores querem ouvir. E depois faz o que quer. Em resumo: é um político nato à moda antiga. Mais para samurais do que para ninjas.)

De volta ao questionário. Cravou uma das opções?

A certa a meu ver: a opção E (Todas as opiniões acima).

Lula trata o PT como um filho. Por sinal, vive comparando o PT a um filho desde a época do estouro do escândalo do mensalão. Disse algo assim: “Qual o pai que pode saber o tempo todo o que seus filhos estão fazendo?”

Com isso quis se declarar inocente.

Entre ser entrevistado ao vivo pelo Jornal Nacional no dia seguinte à sua eleição em 2002 e começar a apanhar quando Roberto Jefferson denunciou o suborno de deputados, foi um pulo. Ali acabou a lua de mel de Lula com a imprensa.

Saiu de cena o ex-sindicalista que passou a perna em todo mundo e alcançou a presidência da República. Entrou o ex-sindicalista que se dizia perseguido pelas elites – embora elas jamais tenham lucrado tanto quanto no governo dele, embora ele as tenha paparicado sempre que pode, embora elas, hoje, torçam por sua volta ao poder.

O fato de não ter estudado porque não quis e de ter sucedido alguém que nunca parou de estudar alimentou em Lula um certo desprezo por aqueles que sabem pensar e expressar o que pensam.

Como se acha bem-sucedido – e de fato o é – imagina-se merecedor de todos os elogios possíveis e um injustiçado quando eles escasseiam. Ou quando são superados pelas censuras.

Disse um dia (cito de memória): “Gosto de publicidade. De notícias, não”.

Existe publicidade positiva e negativa. É da primeira que naturalmente ele gosta. Sobre a notícia ele não exerce controle. Exerce sobre a publicidade desde que pague a conta. Ou que tenha quem pague.

Talvez tenha sido o primeiro político dos tempos interessantes que vivemos a intuir que tratar mal a imprensa lhe renderia generoso e gratuito espaço na… imprensa. E assim procede até aqui.

Seus admiradores mais simplórios apreciam a disposição com que ele destrata jornalistas, formadores de opinião e os mais poderosos conglomerados de comunicação. Lula lhes fornece argumentos para justificar todos os passos do PT. E eles se sentem aptos a travar discussões com seus desafetos.

Não é bacana?

Leia o original no Blog do Noblat

Comentários

Related posts

Haddad relaciona alvarás sob suspeita para igrejas ao caso Aref

Bruna Pannunzio

Japoneses estão apavorados com aumento dos níveis de radiação

Fábio Pannunzio

‘Ele era tudo o que eu tinha’, diz mulher de publicitário morto por PMs

5 comments

Alex 15/08/2013 at 16:02

Talvez porque os tais formadores de opinião também não tenham essa decência toda?

Reply
ari alves 15/08/2013 at 15:32

É mentira. Não seja desonesto. O PSDB tá defendendo seus quadrilheiros do trilho, e vocês (até a Mônica Bergamo, pasmem!) estão descaradamente comprando a versão dos corruptos regionais – para ficar com a versão do Merval – como se verdadeira fosse. Blindagem e bandidagem impressa maior que essa impossível.
Que moral tem o homem do fardão FAKE, que vive posando ao lado de políticos como o Serra, acusado de malversação com o dinheiro do Metrô de São Paulo, para exigir comportamento moral de alguém?
Não, não compraria. Nem o livro do Merval, nem o carro usado do Noblat: são penas alugadas ao PSDB.

Reply
Fábio Pannunzio 15/08/2013 at 18:22

Você continua escrevendo como um troglodita. Pegue esse ódio todo e transforme em algo produtivo. Eu compraria o que bem entendesse de quem bem entendesse. Não são os seus postulados morais que vão determinar o que eu faço ou deixo de fazer. Eu tenho os mesmos próprios valores. Você pode não gostar deles, mas são meus e ponto.
Eu não compraria carro de mensaleiro, nem de tucano corrupto da CPTM e do Metrô. E não comungo com tese de corrupção regional ou nacional. Ladrão pra mim é ladrão, sem nada de qualificador para abonar a roubalheira ou desabonar. Roubou, é ladrão. Não importa se é do PT, do PSDB ou do PQP. E não me chame de desonesto porque isso eu não sou!

Reply
ari alves 15/08/2013 at 13:18

Merval Pereira, que conseguiu a vaga na ABL por ser parte da cota dos Marinhos naquela casa, para defender o PROPINODUTO TUCANOS saiu-se com a sem-vergonhice de que existe a corrupção regional e a nacional. O ministro Barroso, do STF, como que retrucou o bandidão dos Marinhos: “Corrupção é corrupção.”
E aí, Fábio Pannunzio, você compraria o livro do Merval Pereira?

Reply
Fábio Pannunzio 15/08/2013 at 14:07

Compraria sim. Por que ? Você tem algum problema com livros ? Eu leio tudo o que posso, inclusive sobre teses com as quais não comungo. Se você discorda do Merval, deveria ler o livro dele também. Assim terá muitos argumentos para combatê-lo. Por exemplo: sou ateu, mas leio a bíblia de vez em quando. Tem algum problema nisso ? Assim como Santo Agostinho, São Tomás de Aquino, Padre Vieira etc. etc.
A propósito do Barroso, discordo da opinião dele. Acho que, como manda a lei penal inclusive, é preciso individualizar condutas, como foi feito no julgamento do maior escândalo político da história brasileira, o Mensalão.
O fato de o PT ser uma legenda tomada pelos bandidos não isenta as demais do respeito à lei, à ética e à lisura na gestão dos negócio públicos. Assim como a constatação de que todos os partidos têm corruptos encastelados não serve para isentar o PT, o PSDB e quem mais vier da culpa pelos atos que praticam.
Para mim, corrupto é corrupto e bandido é bandido. Sem cor, partido ou facção. Mas quando um partido político tentar vilipendiar a história para inocentar os seus bandidos, tem que ser nominado e denunciado. Concorda ou discorda ?

Reply

Deixe um comentário para Fábio Pannunzio Cancel Reply