Lava Jato Notí­cias Polí­tica

O déjà-vu de Sérgio Moro

O ano era 2004. O sujeito, Sérgio Moro, juiz federal já provado nas investigações da lavanderia montada sob o teto do Banestado. O assunto, a Operação Mãos Limpas, tema sobre o qual o magistrado se debruçava com máximo interesse.  Foram esses os ingredientes que motivaram a produção de um artigo, com viés acadêmico, que Moro escreveu para uma publicação especializada em assuntos jurídicos.

Da análise do julgador sobre a investigação na Itália nasceu um documento que antecipa, como um déjà-vu de onze anos de idade, o que está ocorrendo agora no âmbito da Operação Lava Jato.

No artigo, Moro enaltece o papel que a pressão da opinião pública exerceu ao longo do processo de depuração italiano. “Um Judiciário independente, tanto de pressões externas como internas, é condição necessária para suportar ações judiciais da espécie. Entretanto, a opinião pública, como ilustra o exemplo italiano, é também essencial para o êxito da ação judicial”, afirmou Sérgio Moro.

O comportamento arrojado do juiz da Lava Jato também pode ser explicado a partir de sua análise sobre os colegas que tocaram a Mãos Limpas, que ele chama de juízes de ataque, assim definidos por ele: “juízes que tomam uma postura ativa, usando a lei para reduzir a injustiça social) tomam frequentemente posturas antigovernamentais em matéria de trabalho e de Direito Ambiental. Ao mesmo tempo, especialmente na luta contra o terrorismo e a Máfia, a magistratura exercita um poder pró-ativo, em substituição a um poder político impotente”.

Lá como aqui, os investigadores judiciais enfrentaram críticas decorrentes da utilização da delação premiada com o propósito de obter testemunhos e como instrumento de materialização das provas. “Não se prende com o objetivo de alcançar confissões. Prende-se quando estão presentes os pressupostos de decretação de uma prisão antes do julgamento. Caso isso ocorra, não há qualquer óbice moral em tentar-se obter do investigado ou do acusado uma confissão ou delação premiada, evidentemente sem a utilização de qualquer método interrogatório repudiado pelo Direito”.

Vale a pena ler a íntegra do artigo de Sérgio Moro. Para baixá-lo em formato PDF, basta clicar aqui.

 

Comentários

Related posts

Erundina diz não acreditar que Maluf ficará em 2º plano na campanha

Polícia paulista matou quase 200 desde janeiro. Violência fardada será discutida pelo CNMP

Fábio Pannunzio

Planalto fez gestão para poupar Lulinha

1 comment

Emanuel 13/08/2015 at 03:36

Parabéns pelo Blog. Que bom que a band possui jornalistas independentes com coragem para mostrar a real situação do Brasil. E não a enganação que os PTralhas querem que mostrem.

Reply

Leave a Comment