Corrupção Lava Jato Manchetes Notí­cias Polí­tica

Tráfico de propina traz a lama à porta do gabinete de Temer

Michel Temer só foi levado ao posto que atualmente ocupa porque o Brasil estava enfarado da corrupção do PT. Foi por isso que multidões acorreram às ruas, bateram panelas e pressionaram o Congresso. O que a Nação deixou claro, de 2013 até o dia em que o PT foi defenestrado do Poder, é que não iria mais transigir com a roubalheira.

O que fez Temer ao assumir ? Prometeu contratar notáveis, mas constituiu um gabinete de notórios. Cercou-se dos mais notórios corruptos da República. Valeu-se da mão-de-obra de velhos conhecidos da crônica policial que vem sendo escrita nos anais da Lava Jato.

A investida logo começou a surtir efeito contrário. Obrigado a demitir Romero Jucá, gravado em pornográficas conspirações contra a correição de Curitiba, terminou por guindá-lo ao posto de lider do governo no Congresso. Ficou a lição. Jucá é corrupto demais para permanecer na Esplanada, mas não é corrupto o suficiente para ser impedido de continuar conspirando no Congresso em nome do governo.

Geddel Vieira Lima veio a seguir. Flagrado traficando influência para desembaraçar um apartamento embargado, foi demitido ao final de um episódio vexaminoso, contra o qual o presidente não teve força para resistir.

O homem que lhe deu o mandato, Eduardo Cunha, foi varrido da Presidência da Câmara para a carceragem de Curitiba, de onde passou a tentar chantagear veladamente, no corpo dos processos a que responde,  o companheiro ao qual entregou o cetro e a coroa.

O Presidente, crente de que uma reação da economia poderia lhe valer a popularidade que nunca teve, se esqueceu que seu mister era, e continua sendo, botar ordem na suruba à qual se referiu o companheiro de Roraima. E alçou Moreira Franco, outro titã recém-saído do Hades peemedebista, à condição de semi-inimputável decorrente do privilégio de foro conferido a ministros de Estado.

Ainda que merecedor de várias menções de delatores premiados da Lava Jato, Eliseu Padilha caiu em desgraça só quando o melhor amigo de Temer, o advogado José Yunes, que foi seu assessor especial, decidiu dar com a língua nos dentes e contar que fora mula do colega gaúcho. Ainda assim, a despeito da licença médica, não se fala na hipótese de um inexorável afastamente definitivo.

A propina “traficada” por meio do escritório de Yunes foi entregue por um gângster chamado Lúcio Funaro. Foi o homem que, entre outras emboscadas, provocou o fechamento do escritório da advogada Beatriz Catta Preta e que constrangeu, de maneira acintosa, muitas testemunhas arroladas contra Eduardo Cunha no processo de impeachment e em outras instâncias correicionais. É o pistoleiro de aluguel dos corruptos do PMDB.

Ao verificar no Google o curriculum do traficante da propina, Yunes se assustou com o que viu. O que fez então ? Contou ao amigo Michel Temer o que havia ocorrido, com detalhes. Ou seja: Temer, que agora cobra explicações sobre algo que lhe foi minuciosamente explicado dois anos atrás, sabia de tudo e nada fez. E por que não fez ?

A resposta é óbvia. O dinheiro que deu origem à propina entregue por Funaro a seu assessor e amigo Yunes foi solicitado pelo próprio Temer, que abriu as portas da residência oficial da vice-presidência para receber, em um jantar formal, o príncipe dos corruptores ativos Marcelo Odebrecht.

A história descrita acima tem começo, meio e fim. Fecha-se o círculo de causas e efeitos, demarcando-se seu inicio no Jaburú e seu final, no Planalto.

O Presidente Temer já reiterou inúmeras vezes que sim, pediu o dinheiro a Odebrecht. Mas que tudo transitou legalmente. Só que a versão se tornou insustentável, a padecer pela falta de sentido, com os detalhes que os amigos do Rei vêm acrescentando a ela.

Qualquer observador medianamente atento ao noticiário político enxerga com clareza que falta verossimilhança ao contexto. Falta explicar, principalmente,  por que uma doação supostamente legal como a descrita pelo Presidente da República chegou ao partido dele por meio de uma mula tão célebre quanto o advogado José Yunes, que tinha franco acesso ao gabinete onde Temer despacha.

Sim, os círculos vão se fechando. Para que eles formem uma figura geométrica perfeita, é preciso apenas lembrar o que foi dito lá em cima, no primeiro parágrafo deste texto, que repito integralmente.

Michel Temer só foi levado ao posto que atualmente ocupa porque o Brasil estava enfarado da corrupção do PT. Foi por isso que multidões acorreram às ruas ,bateram panelas e pressionaram o Congresso. O que a Nação deixou claro, de 2013 até o dia em que o PT foi defenestrado do Poder, é que não iria mais transigir com a roubalheira.

E não é isso que está acontecendo.

 

 

Comentários

Related posts

Votos de casamento não incluem greve do metrô de São Paulo

Fábio Pannunzio

Com queda no preço dos automóveis, inflação perde força em junho

Desafio ao leitor: não houve atrelamento de Veja à Ditadura, pelo leitor Jotavê