Internacional Manchetes Notí­cias Polí­tica

A COVID matou Trump

Donald Trump, o persona político, morreu assim que contraiu a COVID. Foi enterrado ainda no hospital sem direito a velório. Já não gozava mesmo de boa saúde eleitoral. Teve morte tão súbita que nem houve tempo nem de mobilizar as carpideiras das redes sociais.

O eleitor americano já deixou claro que o fantasma do personagem abominável e violento, do politico zombeteiro e insensível, não assusta mais, malgrado seu esforço para parecer vivo. O placar pró-Biden de 57 X 41 revelado na última pesquisa da CNN é eloquente. A sondagem explicita uma relação profunda e inequívoca entre a curva de popularidade e a doença que acometeu o líder máximo da extrema-direita mundial.

No atestado de óbito que fatalmente sairá das urnas daqui a 5 semanas, a causa da morte deverá estar relacionada à ausência da cloroquina no tratamento do zumbi republicano. E também de Lysol (Lysoform) endovenoso que ele mesmo receitou a seus eleitores como terapia para a ‘gripezinha’. Só em Nova York, os hospitais registraram mais de 30 casos de intoxicação pelo desinfetante depois da recomendação presidencial.

O Coronavirus sepultou o persona político de Donald Trump porque a opinião pública da Terra Plana finalmente encontrou a linha do Equador. O caipira de pescoço vermelho do Meio Oeste percebeu que as superstições e as mistificações ficaram do lado de fora do Centro Médico Militar Nacional Walter Reed. Percebeu que vinha sendo enganado, logrado, e ‘desencarnou’ do gordinho alaranjado assim que o vírus microscópico derrotou o soberbo presidente dos EUA.

Tump hoje é apenas uma alma penada forçando o diafragma para encher de ar pulmões inúteis para o fantasma político em que se transformou. É um rosto pálido e maquiado que lança da janela do carro blindado um olhar mortificado para o pequeno grupo de fanáticos que observa a passagem insólita de seu próprio féretro.

As mais de 20 mil mentiras que contou ao longo dos quatro anos de Casa Branca serviram para canalizar o ódio, motor das redes sociais, mas não para lhe assegurar oxigênio para um novo mandato. A receita de Bannon, afinal, não era infalível. Ela conseguiu alterar a geopolítica europeia, mas não teve a energia necessária para asfixiar a democracia americana.

No ostracismo que o aguarda, o pior e mais desrespeitoso presidente da história dos Estados Unidos vai ter a companhia de outros quatro únicos personagens que não conseguiram se reeleger: George W. Bush, Jimmy Carter, Gerald Ford e Herbert Hoover.

Que a esta altura devem estar se perguntando o que fizeram para merecer tamanho castigo — passar o restante da história na mesma galeria que bad boy da turma, que está chegando.

Comentários

Related posts

Arapongas de Collor acusaram PT de aliciar servidores

Ministros do STF retomam julgamento do Caso Jáder

Fábio Pannunzio

PT quer que CPI fique restrita a Cachoeira