Bolsonaro Manchetes Notí­cias Polí­tica

A física do Golpe

O Brasil de Jair Bolsonaro é um reator nuclear em processo de fissão descontrolada. A matéria radioativa que o líder fascista acrescenta todos os dias ao instável clima político fez ultrapassar a massa crítica do desvario ideológico e está prestes a criar uma Chernobyl institucional.

As instituições que, deveriam funcionar como piscinas de sódio para controlar a produção de energia deletéria, já não conseguem conter o bombardeio dos núcleos da democracia por partículas desestabilizadoras do nacional-populismo.

Os tribunais superiores tentam controlar a situação. Mas a cada vareta que os operadores Alexandre de Moraes e Luiz Roberto Barroso removem do reator da política, como fizeram com Daniel Silveira, Sara Giromini e Roberto Jefferson, outras ainda mais radioativas se somam ao núcleo fundente. Daí Sérgio Reis, Zezé Di Carmargo, Magno Malta, Malafaia, caminhoneiros, motociclistas, o parente cloroquiner do zap da família…

Enquanto a radiação tóxica aumenta, uma parcela da sociedade observa de longe a desagregação que se instala sem esboçar nenhuma reação, como se alguém pudesse permanecer imune à contaminação da sociedade pelos isótopos das ditaduras – tortura, banimento, censura, prisão sem mandado, dedo na cara, desaparecimentos e assassinatos.

Jejuna na física do golpe, essa parcela não sabe que são os nêutrons os grandes vilões das reações em cadeia, pois entram sorrateiramente nos núcleos atômicos antes de partí-los ao meio.

O sistema dá sinais de que já foi ultrapassado o ponto de máxima desagregação, e já não tem mais energia suficiente para se reorganizar. Isso se chama entropia, fenômeno descrito pela Segunda Lei da Termodinâmica. O ponto de não retorno, o ponto da irreversibilidade, pode ter sido superado.

E se isso de fato aconteceu, prepare-se, porque nós não escaparemos do caos que sobrevirá.

Comentários

Related posts

Morreu Vanessa Kalil

Fábio Pannunzio

Dados contradizem versão de Perillo para venda de casa em Goiânia

Fábio Pannunzio

FAB bombardeia a pista clandestina na Amazônia