Blog do Pannunzio

Veja divulga nova coleção de vídeos da corrupção em Brasilia.

No dia 4 de setembro de 2006, no auge da eleição para o governo do Distrito Federal, José Roberto Arruda encaminha-se até o escritório do delegado aposentado Durval Barbosa, então secretário do governo e seu coordenador de campanha. Ele aperta a mão de Durval e lhe dá um tapinha nas costas: “Meu presidente!”. Arruda acomoda-se gostosamente no sofá, dá um profundo suspiro e pede um chazinho à secretária. Tira do bolso um papelzinho e diz a Durval: “Queria ver quatro coisinhas com você. Só posso pedir para você porque é algo pessoal”. Arruda começa pela corrupção miúda, pedindo a Durval que consiga emprego para o filho dele numa das empresas que mantêm contratos com o governo. Depois abusa um pouquinho mais e recomenda que o delegado “ajude” a empresa de um amigo. Finalmente pergunta sobre o financiamento para a campanha. “Estou medroso com esse troço”, diz Arruda. Durval tenta tranquilizá-lo: “A gente só não pode internalizar o dinheiro”. Ato contínuo, Durval abre o armário, pega um pacote com 50 000 reais e o entrega a Arruda. “Ah, ótimo”, agradece o candidato. Num lapso de 23 minutos e 45 segundos, com o equipamento do ladino Durval e a desfaçatez de Arruda, produziu-se o primeiro capítulo da mais devastadora peça de corrupção já registrada na história do país.

Leia a íntegra da reportagem no site de Veja clicando aqui.

Related posts

Sarney vai reduzir número de diretorias no Senado

Ao lado de ruralistas, Serra cobra segurança jurídica no campo

Universidade chauvinista: Defesa da Uniban tentará incriminar Geisy Arruda por má-fé

Leave a Comment