Blog do Pannunzio

Vice-governador disse que se licenciaria da presidência do DEM, mas recuou

Pressionado pela Executiva Nacional do DEM, o vice-governador do Distrito Federal, Paulo Octávio, chegou a comunicar a aliados que pediria licença do cargo de presidente regional do partido no DF, mas voltou atrás.
Ele marcou para hoje a reunião do diretório regional para decidir sobre a expulsão do deputado Leonardo Prudente, presidente afastado da Câmara Legislativa, que foi filmado guardando pacotes de dinheiro do mensalão do DEM nas meias.
Líderes do partido também querem que Paulo Octávio se licencie do comando do DEM no DF. “Se ele é mencionado nas denúncias, demonstrará mais autoconfiança se pedir licença”, disse o líder do DEM no Senado, José Agripino: “Mas não vamos brigar. O que queremos é a expulsão de Prudente. Caso contrário a Executiva Nacional terá de intervir”.
Por meio de nota, o vice negou que vá se licenciar da presidência do partido. Apesar de ter marcado a reunião para decidir o caso de Prudente, ele não definiu a hora.
Membro do diretório, o deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF) disse que seria difícil realizar a reunião hoje. “Parece que tem muita gente fora da cidade”, disse. Apesar de dizer que votará pela expulsão de Prudente, Fraga ressaltou que é preciso dar direito de defesa a ele.
Secretário de Transportes do DF e aliado do governador José Roberto Arruda (ex-DEM), Fraga afirmou que não se “incomoda” com a pressão da Executiva do partido: “Estou pouco me lixando para o que eles pensam”.
Ele ainda fez uma ameaça: “Deus proteja. Que não apareça nada contra aqueles que foram mais contundentes contra Arruda, porque a partir de agora vou votar sempre pela expulsão” -citando Agripino, o deputado Ronaldo Caiado (GO) e o senador Demóstenes Torres (GO).
No começo da tarde de ontem, o secretário geral do DEM-DF, Flávio Couri, disse que a reunião aconteceria às 20h de hoje. O horário também foi confirmado pelo relator do caso de Prudente, o ex-senador Lidemberg Cury.
O secretário-geral do DEM-DF afirmou que “o partido não deve agir sob pressão”. “Somos autônomos para tomar a decisão que acharmos melhor”, disse Couri. “Se a Executiva não gostar, pode tomar a medida que achar melhor”, afirmou.
O diretório regional do PSB no DF decidiu expulsar o deputado distrital Rogério Ulysses, alvo de mandado de busca e apreensão. A decisão foi unânime. Ulysses nega estar envolvido no esquema.

 

Clique aqui para ler a íntegra no site da Folha de São Paulo (para assinantes)

Comentários

Related posts

Destaques dos jornais de hoje – O Estado de S. Paulo

Acusado de receber propina, Bandarra deve ser afastado

Sarney diz ter recebido apoio de líderes para transferir servidores extras e nega gasto extra

Leave a Comment