Blog do Pannunzio

Defesa deve entrar hoje com pedido no STJ de liberdade a Arruda

da Folha Online

A defesa do governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), deve entrar nesta segunda-feira com pedido no STJ (Superior Tribunal de Justiça) de liberdade para o ex-democrata, que completou no sábado 30 dias de prisão.

O advogado Nélio Machado afirmou que solicitar o fim da custódia é “um direito” do governador. “Vou pedir que o tribunal reexamine a situação. Entendemos que há razões de sobra para que o tribunal competente reexamine a prisão dele”, disse.

Machado sinalizou que haveriam fatos novos para convencer os ministros a recuarem na prisão. “Eu não acho que ficou mais fácil ou mais difícil, eu acho que ele tem direito. E vou apresentar os motivos pelos quais o tribunal no mínimo fará uma reflexão diante da nossa postulação”, afirmou.

A defesa de Arruda teve acesso a novos documentos que serão utilizados nesse pedido de liberdade ao STJ. “Nosso colega de escritório foi à Polícia Federal, ao Ministério Público e esteve no STJ. Vou analisar esses documentos todos, não sei se estão completos ou não”, disse.

Para o advogado, a prisão domiciliar não faz parte da estratégia de defesa. No início da semana passada, a tentativa dos advogados e familiares de demostrar que Arruda está com o estado de saúde debilitado na prisão foi interpretada como uma medida para tentar o relaxamento da prisão.

“Vou lutar pela liberdade dele. Não vou pedir prisão domiciliar, isso não passa pela minha cabeça, em nenhum momento passou”, disse.

Na sexta-feira, Machado e Arruda tiveram a primeira conversa reservada desde que o STJ determinou a prisão. A medida, que tem previsão legal, foi autorizada pelo Ministério da Justiça, depois que Machado buscou apoio da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e acusou a Polícia Federal de “abuso de poder” e “bisbilhotagem”.

Arruda teve o pedido de liberdade negado na semana retrasada pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Nove ministros seguiram o voto do relator do caso, ministro Marco Aurélio Mello, que entendeu que o governador afastado ainda oferece risco às investigações do esquema de arrecadação e pagamento de propina. Apenas o ministro Dias Toffoli votou pela liberdade.

O governador e mais cinco aliados tiveram a prisão decretada no dia 11 de fevereiro. Eles foram acusados de tentar subornar o jornalista Edson dos Santos, o Sombra, uma das testemunhas do esquema.

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou que Arruda deve permanecer preso até o fim das investigações da Polícia Federal sobre suposto esquema de corrupção.

Clique aqui para ler a íntegra no site da Folha

Comentários

Related posts

Kassab congela R$ 4 bi de 20 secretarias

Destaques dos jornais de hoje – Correio Braziliense

Fábio Pannunzio

Como enfrentar a gripe suína?

Fábio Pannunzio

Leave a Comment