Blog do Pannunzio

Crimes de senador e deputado terão força-tarefa no STF

Felipe Recondo
Mariangela Gallucci
Fausto Macedo

Uma força-tarefa contra os crimes cometidos por deputados, senadores e ministros está sendo montada no Supremo Tribunal Federal (STF). Uma mudança no regimento, proposta pelos ministros Gilmar Mendes e Cezar Peluso, atual e próximo presidente do órgão, permitirá que uma unidade da Polícia Federal fique à disposição do tribunal para tornar mais ágeis as diligências necessárias para julgar os processos contra políticos.

A alteração do regimento pode ser aprovada antes que Gilmar Mendes deixe o Supremo, no dia 23. A próxima sessão administrativa do STF deverá ocorrer na semana que vem.

O objetivo da mudança regimental é regulamentar a tramitação dos inquéritos no STF para torná-los mais rápidos. Atualmente, não existe uma norma interna específica que trate desse assunto e, na opinião de ministros do Supremo, é necessário a aprovação para deixar claros prazos e procedimentos.

Aproximação. Essa modificação vai aproximar os ministros, que comandam os inquéritos, dos policiais federais, responsáveis por levar adiante os procedimentos necessários para a coleta de provas, de depoimentos e realização de perícias.

Isso deve evitar, por exemplo, que a diligência determinada por um ministro demore meses para ser cumprida ou que a polícia tenha de esperar semanas pela autorização de uma busca e apreensão considerada imprescindível para a solução do caso.

Da forma como tramitam hoje esses processos, o foro por prerrogativa de função – previsto na Constituição para garantir a isenção do julgamento, impedindo pressões políticos do próprio acusador e de adversários – virou sinônimo de privilégio.

Se a ideia era garantir a isenção do julgador e evitar o vai e vem de processos entre instâncias judiciais, na prática a regra acaba contribuindo para a prescrição dos crimes cometidos.

Um levantamento de casos julgados no Supremo mostra que, até hoje, nenhum parlamentar foi condenado por corrupção. Somente um deputado, Chico Pinto, recebeu condenação durante a ditadura militar, mas o caso não foi de corrupção.

Clique aqui para ler a íntegra no site do Estadão

Comentários

Related posts

Ecos do panetone: Isolado, Rodrigo Maia se reaproxima de Serra

Ôpa, agora é comigo!

Fábio Pannunzio

Homem é 17ª vítima da gripe suína em São Paulo

Leave a Comment