Blog do Pannunzio

Após polêmica do jingle, coordenador do PT se defende de acusações de censura

Tai Nalon

Marcelo Branco, coordenador da campanha na internet de Dilma Rousseff (PT) à Presidência, disse nesta terça-feira (20) no Twitter que suas críticas contra o jingle supostamente pró-Serra da TV Globo são “uma forma legítima de manifestação da liberdade de expressão”. O ex-diretor da Campus Party defendia-se de ataques de usuários do microblog, que o acusaram de censura contra a rede de televisão.

“‘Enquadrar’ a liberdade de expressão, mesmo que crítica a publicações de terceiros, como censura, é um menosprezo com a democracia”, disse.

Segundo ele, a Internet é um espaço da liberdade de expressão em que todos estão em pé de igualdade. “Pela primeira vez, a liberdade de expressão pode ser exercida não apenas num sentido, mas de forma horizontal. De muitos para muitos”, reiterou.

A polêmica surgiu na manhã de segunda-feira, quando Branco lançou suspeita sobre o jingle da emissora, que, segundo ele, fazia referência ao slogan “o Brasil pode mais” dito por Serra no lançamento de sua pré-candidatura. Na mesma linha, o coordenador de Dilma atribuía ao “45” uma mensagem subliminar –45 é o número do PSDB e a idade da emissora.

Ele disse, porém, que suas críticas nada tinham a ver com a campanha de Dilma, mas que foram feitas em caráter pessoal.

Depois da polêmica, a Globo resolveu tirar do ar a campanha. Em nota, a emissora afirma que o filme foi criado em novembro de 2009, quando “não existiam nem candidaturas muito menos slogans”. A página da emissora que mostrava a propaganda também saiu do ar. Quem clica nela recebe a seguinte informação: página não encontrada.

Veja aqui o jingle da Globo

Clique aqui para ler a íntegra no site da Folha

Comentários

Related posts

Valadares oficializa saída do CE

PMDB representa contra Virgílio no CE

Brasil nega que rearmamento servirá para conseguir assento em conselho da ONU

Leave a Comment