Blog do Pannunzio

Filho de Sarney enviou verba desviada, vê PF

Leonardo Souza

A Polícia Federal levantou indícios de que o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), enviou ilegalmente para fora do país dinheiro desviado de obras públicas. Por isso ele foi indiciado anteontem por evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

Conforme a Folha antecipou em março, autoridades da China confirmaram ao Ministério da Justiça brasileiro, no final do ano passado, que Fernando remeteu US$ 1 milhão para a província chinesa de Qingdao a partir de uma conta nas Bahamas, paraíso fiscal do Caribe.

A PF comprovou na Receita Federal que esse dinheiro não foi declarado no Brasil pelo filho do presidente do Senado.
Segundo o inquérito policial, uma das fontes do dinheiro mandado para fora do país seria a obra da ferrovia Norte-Sul, um dos projetos prioritários do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

O projeto da Norte-Sul é gerido pela Valec, estatal federal há décadas sob o domínio do presidente do Senado.
Fernando Sarney ajudou a montar um “consórcio paralelo” de empreiteiras acusado de desviar cerca de R$ 60 milhões de um dos trechos da Norte-Sul, conforme a Folha revelou.

Uma das construtoras que integram esse grupo é a Lupama, apontada pela PF na Operação Faktor (antiga Boi Barrica) como uma empresa de fachada, que não tem capital social “nem sequer para construir uma ponte”.
Seus sócios são Flávio Lima e Gianfranco Perasso, ambos amigos de Fernando Sarney. Perasso é apontado pela polícia como o operador de contas da família Sarney no exterior.

O segmento da ferrovia sob a responsabilidade da Lupama liga os municípios goianos de Santa Isabel e Uruaçu. Auditoria do Tribunal de Contas da União nesse trecho constatou sobrepreço de R$ 63,3 milhões. Segundo perícia da PF, a fraude chegou a R$ 59 milhões.

De acordo com a PF, parte do dinheiro obtido pelo “consórcio paralelo” nessa obra ficou com Fernando Sarney.

Segundo a Folha apurou, os policiais constataram que as datas em que Fernando e seus amigos da Lupama receberam os recursos das empreiteiras coincidiram com a movimentação financeira realizada no exterior. Daí a associação feita pela PF entre o dinheiro supostamente desviado da Valec e as transações fora do país.

Em telefonema grampeado em maio daquele ano, Flávio Lima cobra de um funcionário da EIT (uma das empresas do “consórcio paralelo”) parte do pagamento referente ao trecho Santa Isabel-Uruaçu. A expressão usada é “pagar a diferença”, interpretada pela polícia como sinônimo de propina.

Se você é assinante da Folha, clique aqui para ler a íntegra

Comentários

Related posts

Choque entre polícia e grupo pró-Zelaya mata um

Maior ficha-suja do País processa Estado por tê-lo processado

Fábio Pannunzio

PIB sobe, mas investimento não reage

Leave a Comment