Blog do Pannunzio

Destaques dos jornais de hoje – Valor Econômico

SP antecipa receitas de concessões
O governo paulista vai vender a investidores os direitos sobre a receita futura com concessões rodoviárias realizadas em 1998. Com a operação, feita por meio de fundo de investimento em direitos creditórios (FIDC), o Estado receberá agora recursos que, de outra forma, só teria entre 2011 a 2018.
Serão incluídos no fundo R$ 1,1 bilhão em recebíveis das concessionárias Autoban, ViaOeste, Intervias, Centrovias e Autovias. Pela cessão desses direitos, o governo deverá receber R$ 708 milhões. A diferença se deve à remuneração que será paga aos investidores pela antecipação dos recursos. Caberá a esses investidores assumir o risco de inadimplência das concessionárias. (Págs. 1 e C1)

Foto legenda: Voando alto
Um dos poucos aeroportos do país gerido pela iniciativa privada, o de Cabo Frio (RJ) ganha destaque na importação de equipamentos para a indústria do petróleo. A movimentação de cargas já supera a de turistas, diz Francisco Pinto, presidente do conselho da Costa do Sol Aeroportuária. (Págs. 1 e B10)

Capitalizada, Vicunha quer ser maior fabricante de brim
A entrada de R$ 250 milhões do BTG Pactual no capital da Vicunha Têxtil reduziu a alavancagem da empresa, que se prepara para voltar a crescer, inclusive com a compra de companhias menores na América Latina. Mas as mudanças não param aí. Seu presidente, Ricardo Steinbruch, disse ao Valor que pretende buscar outros sócios, como bancos e fundos de investimentos.
Os planos de Steinbruch incluem transformar a empresa na maior fabricante de índigo e brim do mundo – segundo seus cálculos, hoje ela ocupa a terceira posição – e também comercializar mais produtos de terceiros com a marca Vicunha. (Págs. 1 e B9)

Gazin nega venda e continua inaugurando lojas e fábricas
Alvo de comentários de que a companhia que criou há 43 anos entraria no movimento de consolidação do varejo, o empresário Mário Valério Gazin é taxativo: “A Gazin ninguém compra enquanto eu estiver vivo”. Ele fatura R$ 1,35 bilhão com as 158 lojas e três fábricas de estofados e colchões em nove Estados e seus planos são de continuar se expandindo com a abertura de mais seis unidades fabris, a próxima na Bahia. Gazin explica que não dá para transportar sofás e colchões para longe. Ele conta que chegou a cortar um pedaço do colchão de um hotel de Nova York para saber como era feito, porque estava descontente com a qualidade de seus produtos. (Págs. 1 e B5)

Invasão de chineses começa a mudar o turismo mundial (Págs. 1 e A9)

Impasse mantém carne industrializada brasileira fora do mercado americano (Págs. 1 e B14)

Noruega suspende perfurações
A Noruega anunciou ontem a suspensão de novas perfurações de petróleo em águas profundas no Mar do Norte até que sejam esclarecidos as causas do desastre com a plataforma da BP no Golfo do México. (Págs. 1 e A9)

TAM amplia a frota
A TAM assinou ontem, em Berlim, memorando de entendimento para a compra de 15 aeronaves da Airbus para renovação e ampliação de sua frota. O valor estimado do acordo é de US$ 2,9 bilhões. (Págs. 1 e B4)

Gestão de energia
A administradora de fundos de “private equity'” DGF Investimentos comprou 20% da APS Soluções em Energia, especializada em projetos de eficiência energética. (Págs. 1 e B4)

Estratégia antigenérico
A multinacional americana Pfizer reduziu pela metade o preço do Viagra no Brasil. O laboratório perderá a patente do medicamento a partir do dia 20. (Págs. 1 e B8)

Reaparelhamento da FAB
A Airbus Military, divisão do grupo europeu aeroespacial EADS, negocia a venda de oito aviões de transporte militar e patrulha marítima para a Força Área Brasileira (FAB). (Págs. 1 e B9)

Acesso à saúde
Preço dos medicamentos é um dos principais obstáculos à universalização da saúde no país. Redução da carga tributária seria uma das soluções, diz Antônio Britto, da Interfarma. (Págs. 1 e Caderno especial)

Exportação de etanol despenca
As vendas brasileiras de etanol deverão cair neste ano ao menor nível desde 2003, para 1,7 bilhão de litros, equivalentes a 20% do total exportado na safra passada. (Págs. 1 e B14)

Ideias
José Luis Oreiro
A restrição ao crescimento da economia brasileira não vem da “barreira inflacionária”, mas do front externo. (Págs. 1 e A10)

Ideias
Carlos Lessa
Euforia econômica, que desconhece riscos e não previne erros, ameaça repetir decepção do “Milagre Brasileiro”. (Págs. 1 e A11)

Comentários

Related posts

Collor: Caras-pintadas foram movimento extremamente importante

Fábio Pannunzio

Alencar tem alta e passa bem

Fábio Pannunzio

Câmara do DF convoca eleição indireta para o governo distrital

Leave a Comment