Blog do Pannunzio

Equipe de Dilma é remunerada por meio de notas frias

Rubens Valente

A pré-campanha presidencial de Dilma Rousseff (PT) remunera jornalistas e técnicos por meio de notas fiscais frias, emitidas por uma microempresa sem funcionários, cuja sede fica num apartamento residencial.
As notas são emitidas pela Cinco Soluções, aberta em 3 de março em nome de Jeová Alves de Sousa Jr., 27, que disse trabalhar no meio publicitário, em nome da Lanza Comunicação, do jornalista e consultor Luiz Lanzetta.

Ele foi afastado da pré-campanha na semana passada, em meio à suspeita de produção de um dossiê contra José Serra (PSDB). A Lanza é contratada pelo diretório nacional do PT, em Brasília.
Um grupo de 36 pessoas trabalha para a Lanza na mansão alugada no Lago Sul, em Brasília, nas áreas de imprensa e internet da pré-campanha de Dilma.
Produzem textos, acompanham a petista em viagens e eventos e alimentam o site. A maior parte desses profissionais recebe entre R$ 7.500 e R$ 11 mil mensais.

Eles não mantêm vínculos empregatícios com a Lanza. Para efetuar a maioria dos pagamentos, a empresa recebe notas fiscais da Cinco.
Sem secretária ou placa indicativa e com capital social de R$ 5.000, a Cinco é sediada na casa da mãe de Sousa Jr., um apartamento de 40 m2, no Gama, cidade-satélite a 35 km de Brasília.

“Trabalha na rua”
A zeladora do edifício, Irene da Silva Rezende, disse não saber da existência de empresas. A mãe do microempresário, Graça, disse que ele “trabalha na rua”.

A Folha apurou que, em troca do recebimento das notas, os jornalistas pagam à Cinco 5% do valor da nota, emitida como um “serviço de jornalismo” em nome da Lanza. Com as notas, a Lanza justifica seus gastos.
A triangulação das notas pode representar sonegação de contribuição previdenciária. O professor de administração João Muccillo Neto, da USP, vê, em tese, ilegalidade.
Ao não manter vínculos trabalhistas, a Lanza não recolhe INSS, o que poderia indicar sonegação. Já a Cinco “estaria, em tese, emitindo notas fiscais em relação a recursos que não recebeu”.

Contradições
Sousa Jr. negou que sua empresa funcione como simples emissora de notas fiscais. Disse que faz para a Lanza “revisão de textos jornalísticos” e, para tanto, contrata colaboradores, cujos nomes preferiu não revelar.
Apesar de seu alegado contato com os textos da Lanza, Sousa Jr. disse que “não trabalha com partidos ou pré-campanhas”.
A explicação de Sousa Jr. contradiz afirmações feitas pelo dono da Lanza, Luiz Lanzetta. Por telefone, de Buenos Aires, disse que não conhece a Cinco ou Jeová. “Quem é o cara? Não conheço, nunca ouvi falar.”

Ele confirmou que os funcionários que trabalham para a Lanza no Lago Sul não têm registro em carteira ou contratos como autônomos.

Clique aqui para ler a íntegra no site da Folha

Comentários

Related posts

“Rolo compressor” envolve votação do Pdot

Parlamentares são contra retirada da urgência do pré-sal em troca da votação da CSS

Pandemia interrompe perícias do Serviço Médico da Câmara dos Deputados

Fábio Pannunzio

Leave a Comment