Jornalismo Notí­cias

Emissoras ocultam do eleitor debate dos concorrentes

Paulo José Cunha, do Blog Telejornalismo em Close

As emissoras de televisão estão sonegando informações sobre os candidatos à Presidência da República. “Grande novidade. Se elas se pautam pelas inclinações ideológicas de seus donos ou por seus interesses patrimoniais, nada demais, ora”. Mas não falo disso: falo de informações essenciais do dia-a-dia dos candidatos. “Como assim, se  se todo dia os telejornais trazem informações sobre “o dia dos candidatos”? Também não me refiro a isso, mas a informações fundamentais, relacionadas a posicionamentos que vêm assumindo ou a opiniões que vêm externando sobre temas os mais diversos, como o aborto, por exemplo. Ou sobre a baixaria da campanha. “Então se refere a quê, infeliz, desembucha!”

Refiro-me ao conteúdo dos debates eleitorais, que fica restrito à emissora responsável pela sua promoção. Dessa forma, um debate como o da Band, que redefiniu os rumos da campanha eleitoral em curso, foi solenemente ignorado pela Rede Globo e pelas demais emissoras, como um fato à parte, uma ocorrência que só diz respeito à emissora que veiculou o evento. Como se isso não tivesse a ver com o que o eleitorado precisa saber para definir, confirmar ou reformar seu voto, já que estamos num segundo turno e um segundo turno serve precisamente pra isso.

O fato é que nossas emissoras de televisão ainda não se habituaram a encarar o fato jornalístico acima de sauas conveniências empresariais. E se pautam pela velha e carcomida fórmula segundo a qual “só me diz respeito o que eu noticio, e tudo o que a concorrência realiza não é da minha alçada, e que se dane o eleitor, se quiser saber detalhes do debate da Band que ligue na Band e tamos conversados”.

Ainda falta muita estrada para atingirmos um grau de compreensão da notícia acima e além da conveniência editorial/empresarial de nossas empresas. Os jornais impressos, os blogs e as emissoras de rádio já avançaram muito e não estão nem aí: repecutem, analisam e debatem o que as outras puseram no ar, como o debate da Band que abriu a temporada dos confrontos diretos dos dois candidatos no segundo turno. Mas as grandes redes de tv, os grandes telejornais, ainda não se habituaram a tratar os fatos produzidos pela concorrência como fatos, e sim como produtos exógenos, aos quais não se deve dar maior importância. Resultado: manipulação por parte das duas campanhas, que selecionam o que chamam de “melhores” momentos, conforme suas conveniências, reproduzem no horário eleitoral. Informação com isenção jornalística? Ah, o eleitor que se dane. Seleção jornalística dos melhores momentos? Nem sonhando! Depois do que aconteceu com o debate Lula-Collor, ninguém se arrisca. Cê é doido, cara, vou lá me meter nisso…

E o eleitor? Ah, o eleitor é que nem o povo, para uma certa Zélia Cardoso de Mellol lembra-se: é apenas de um detalhe… Mas será que um dia ainda assistiremos a um Jornal Nacional em que o debate da Band será analisado, comentado, contextualizado como “notícia”, e não apenas como um produto da concorrência, e que por ser isso deve ser solenemente escanteado e subtraído do eleitor, como ocorre hoje? É difícil. Justamente por isso defendo uma proposta que ainda parece remota, mas que pode ser um ponto de partida para a democratização desse aspecto da campanha eleitoral: a realização de debates em rede nacional, patrocinados PELA JUSTIÇA ELEITORAL, e com regras definidas por ela, tal como ela define normas para a proganda gratuita pelo rádio e pela tv. Se a cada semana, um dia da propaganda fosse destinado a debates aos cargos de presidente e  governador, teríamos um eleitor bem menos dominado pela efusão de edulcorantes da propaganda de laboratório, e bem mais consciente do que efetivamente pensam e defendem os candidatos. É da confrontação que ressuma alguma verdade, e nunca do discurso de mão única. Porque no cara-a-cara, no frente-a-frente, no tête-a-tête é bem mais difícil alguém parecer ser o que não é. Como a Dilma, que revelou-se bem menos paz, amor, sorrisos & botox, como vinha pretendendo aparentar. E muito mais lampião, pit-bull e Kill Bill, como ela realmente é. Se foi a marquetagem que mandou ela aparecer como é, palmas pra marquetagem. Se foi ela mesma que quis aparecer daquele jeito, palmas pra nós, que voltamos a vê-la por inteiro, e na real. E o Serra? Ah, o Serra, com aquela cara de espanto, vai continuar a ser o picolé de chuchu de sempre, que a gente já conhece.

Comentários

Related posts

Escutas sugerem que Perillo atuou em favor da Delta

Relatório do CNJ aponta nepotismo em Tribunal de Justiça do DF

Família de Marcelo Dino, em nota à imprensa: “nossa luta é para que outros não morram impunemente”

Fábio Pannunzio

Leave a Comment