Em sua primeira manifestação pública após a confirmação da vitória nas urnas, Dilma Rousseff traçou as linhas mestras do que se pode esperar de... Os primeiros compromissos de Dilma

Em sua primeira manifestação pública após a confirmação da vitória nas urnas, Dilma Rousseff traçou as linhas mestras do que se pode esperar de seu futuro governo. Começou bem, estabelecendo um compromisso com a liberdade de imprensa, o cumprimento dos contratos e conclamando a sociedade a auxiliar na meta ambiciosa de erradicar a miséria no País.

“Prefiro o barulho de uma imprensa livre ao silêncio das ditaduras”, afirmou a presidente eleita ao discursar em um hotel no centro de Brasília. A afirmação, feita em discurso escrito, livre de improvisos, tem por objetivo acalmar os donos de jornais e emissoras de televisão, apavorados com a possibilidade de instituição de mecanismos de “controle social” da imprensa.

A presidente eleita também prometeu governar sem discriminar partidos ou regiões identificados com seu adversário José Serra — talvez sua tarefa mais difícil, uma vez que o nível de agressividade da campanha eleitoral deve radicalizar o confronto entre a base aliada e os partidos de oposição.

No discurso de ontem, Dilma também estabeleceu parâmetros que podem definir a linha divisória entre seu governo e o governo de seu padrinho político Lula. Ela afirmou que vai estabelecer uma relação baseada no mérito com o funcionalismo público e pretende ter relações mais “republicanas” com o Congresso. Fica difícil enxergar essa perspectiva na arquitetura de seu arco de apouios. Alguém imagina um PMDB menos voraz do que o partido foi na era Lula ?

Dilma em seu primeiro discurso após a eleição

Hoje começa a construção do governo DIlma. É a hora de passar da teoria à prática. As manifestações já não têm mais o sentido das promessas vagas da campanha, feitas para aliciar eleitores. Agora se transformam em compromissos e diretrizes.Resta saber como Dilma irá transpor o limite entre objetivos meramente referenciais e o pragmatismo exacerbado herdado da Era Lula.

Comentários

  • Joel

    01/11/2010 #1 Author

    Afirmaste também algo como ela ter tido ou conseguido o voto (ou o apoio) da maioria dos brasileiros ! Ora (e isto pode ser até uma sugestão de pauta), nem todos os brasileiros são (podem votar) eleitores. Apenas 135 milhões (deles). Destes, de acordo com os dados do TSE, quase 44 milhões votaram em Serra e outros 36 milhões (mais do que os eleitores da Argentina e do Uruguai, os dois principais parceiros do Brasil no Mercosul) preferiram se abster ou rasurar o voto, votar em branco, do que dar apoio a Dil Má. Logo, o fato, a realidade (e a gente nem é obrigado a dizer isto para ninguém, se não quiser), é que 80 milhões dos 135 milhões de brasileiros em condições de votar nela, não a apoiaram ! Ora, os brasileiros que votaram nela ou a apoiaram – mesmo que pelos motivos errados – foram apenas 55 milhões. Então, se 80 milhões não a apoiaram e 55 milhões apoiaram, como é que os apoiadores são "a maioria", como disseste ? Tu fazes jornalismo ou ficção (dizes qualquer coisa, para agradar ou ganhar Ibope) ?

    Responder

  • Joel

    01/11/2010 #2 Author

    Fábio, tu percebeste que apareceste fumando em imagens de outra televisão, ontem, não percebeste?
    Outra, desculpa-me escrever, aqui, é que não encontrei um jeito de fazê-lo alhures (n'outro lugar). Tu chamas de "notícia", aquilo que produziste no Jornal da Band? Não decorei, mas, parece que dizes que Dil Má foi muito bem avaliada por todos em sua passagem pelo governo no RS. Ora, mesmo com Lula e todos as tentativas de cooptação (compra) do voto dos mais humildes, Dil Má perdeu, de lavada, em todo o Rio Grande e em especial, em Porto Alegre, onde as pessoas a conhecem melhor !

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *