Manchetes Notí­cias Polí­tica

Delator de mensalão do DEM faz acareação com Arruda em Brasília

Edilson Edson, o Sombra, o homem que meteu Arruda na cadeia

Robson Bonin,  do G1

O ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (sem partido) participou de uma acareação na manhã desta quinta-feira (4) com o delator do escândalo que ficou conhecido como “mensalão do DEM de Brasília”, Durval Barbosa, e com o jornalista Edmilson Edson dos Santos, o Sombra, alvo de tentativa de suborno pela qual o ex-governador foi acusado e que acabou resultando em sua prisão, em fevereiro.

Por cerca de 10 minutos, Sombra e Arruda permaneceram frente a frente. “Ele tentou me intimidar. Ficou me encarando. E eu encarei ele”, afirmou Sombra ao G1. O jornalista disse que teve de sair da sala por orientação dos promotores, porque “o clima ficou tenso”. “Fiquei no prédio entre uns 20 e 30 minutos. Cara a cara com ele foram uns 10 minutos”, disse.

A reportagem entrou em contato com o advogado do ex-governador José Roberto Arruda, que não havia dado resposta até a última atualização desta reportagem.

A acareação faz parte do processo disciplinar instaurado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para apurar o envolvimento dos promotores Leonardo Bandarra e Deborah Guerner no suposto esquema de propina no governo distrital.

Na acareação, Sombra disse que manteve a versão dada em depoimento prestado anteriormente no qual afirma que ouviu do próprio Arruda que havia um pagamento de propina a Bandarra para que o Ministério Público do DF não investigasse supostas irregularidades em contratos do governo do Distrito Federal.

Bandarra foi procurador-geral de Justiça do Distrito Federal até junho deste ano. A promotora Deborah Guerner era sua auxiliar. Segundo dados da investigação da Polícia Federal, teria sido Deborah a responsável por estabelecer as negociações de cobrança de propina com Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do governo de Arruda.

O G1 tentou contato com o advogado de Deborah, Pedro Paulo Guerra de Medeiros, mas, ao atender ao telefone, ele disse que não poderia falar naquele momento. O advogado de Bandarra, Cezar Bitencourt, não estava no escritório e só retornaria por volta das 19h, segundo o secretário dele. Em outras oportunidades, Bandarra e Deborah negaram envolvimento com as supostas irregularidades.

Em depoimento ao Ministério Público, Durval afirmou que Bandarra teria recebido mais de R$ 1,6 milhão, além de uma “mesada”, para interferir no Ministério Público e impedir investigações sobre os contratos do governo distrital com empresas de coleta de lixo. Caso as denúncias sejam confirmadas, eles podem ser expulsos do MP.

Caso

O mensalão do DEM de Brasília foi descoberto depois que a PF deflagrou, em novembro de 2009, a operação Caixa de Pandora, para investigar o envolvimento de deputados distritais, integrantes do governo do DF, além do então governador Arruda e de seu vice, Paulo Octávio (sem partido, ex-DEM). Octávio e Arruda sempre negaram envolvimento com o suposto esquema de propina.

Arruda chegou a ser preso, deixou o DEM para não ser expulso e foi cassado pela Justiça Eleitoral. Paulo Octávio renunciou ao cargo para defender-se das acusações. Durante meses, o DF esteve ameaçado de intervenção federal, devido ao suposto envolvimento de deputados distritais, integrantes do Ministério Público e do Executivo com o esquema denunciado por Durval Barbosa.

Para ler o original clique aqui: G1 – Delator de mensalão do DEM faz acareação com Arruda em Brasília – notícias em Política.

Comentários

Related posts

Governo fez liberação atípica de verba no dia de ‘acordão’ na CPI

Relator de CPI ainda não decidiu sobre quebra de sigilo

Chávez deve anunciar compra de 20 aviões da Embraer

Leave a Comment