Correio Braziliense Notí­cias Polí­tica

Com pouco trabalho, distritais torram R$ 1,8 milhão da verba idenizatória

Correio web

Os deputados distritais consumiram, no ano passado, R$ 1,8 milhão dos recursos públicos com combustível, aluguel de imóvel, consultoria e divulgação. Esses gastos são liberados por meio da verba indenizatória, com teto de R$ 11.250 por mês. Em ano de baixa produção legislativa, devido às repercussões da Operação Caixa de Pandora, e por conta das eleições, os integrantes da Câmara Legislativa (CLDF) torraram, em média, R$ 5 mil por dia. As despesas não cessaram nem na época das campanhas eleitorais, quando o plenário do órgão ficou praticamente fechado.

Quem mais utilizou a verba foi Dr. Charles (PTB). Ele gastou cada centavo disponível, o que significou R$ 135 mil a menos nos cofres da Câmara. As maiores despesas do distrital foram com combustível e lubrificante de veículo. Só nos três últimos meses de 2010, ele gastou R$ 31.850. Se considerar como R$ 2,75 o preço médio da gasolina em outubro, seria possível comprar 11,6 mil litros com o valor gasto. Em um carro popular, com média de consumo de 14 quilômetros por litro, daria para rodar 162 mil quilômetros. Ou seja, com o valor consumido pelo petebista em 90 dias, seria possível dar quatro voltas ao mundo.

Dr. Charles afirma ter feito o necessário para exercer da melhor forma o mandato. Segundo ele, todas as despesas eram divulgadas em seu site. “Fui o primeiro a publicar as informações sobre a verba indenizatória”, diz. Ele também diz que a média de gastos foi a mesma durante a legislatura. “Usei mais gasolina no fim do ano por conta da campanha”, afirma o ex-deputado.

Outro que deixou o mandato com as despesas praticamente no limite foi Batista das Cooperativas (PRP). Ele gastou R$ 520 a menos do que o campeão de gastos, mas também não conseguiu se reeleger, ficando na 46ª posição na eleição para a Casa. A derrota, porém, não pode ser atribuída à falta de publicidade do exercício do mandato. No primeiro semestre de 2010, ele usou R$ 19.400 com divulgação das atividades parlamentares. Ao contrário de diversos colegas, não deixou de receber os recursos nos três meses de campanha. No período, ele comprometeu a verba integralmente com combustível e lubrificante de automóveis. Procurado, Batista não foi localizado ontem.

Treze dos 24 distritais abriram mão de receber a verba indenizatória durante a campanha. Não foi o caso de Benedito Domingos (PP). Ele gastou R$ 123 mil em 2010 (veja quadro). Desse total, 25% foram empregados de julho a setembro. A contratação de consultoria consumiu a maior parte das despesas. Mas Benedito também gastou com combustível, locação ou manutenção de veículo. “O exercício de mandato não se limita a votar projetos. O deputado tem de percorrer cidades para se reunir com lideranças e isso tem custos. Se a verba é um direito, eu a utilizo”, diz.

via Correio Braziliense – Cidades DF – Com pouco trabalho, distritais torram R$ 1,8 milhão da verba idenizatória.

Related posts

Moro errou. Errou mesmo?

Fábio Pannunzio

Blog vai transmitir ao vivo julgamento do STF sobre aborto de fetos anencefálicos

Fábio Pannunzio

FGV: tendência do STF é rejeitar pedido de suspeição contra Toffoli

Leave a Comment