Blog do Pannunzio

PARABÉNS, BRASÍLIA

Por tudo o que aconteceu ao longo dessas cinco décadas, Brasília também se transformou numa cidade de contradições. É o lugar onde primeiro os motoristas aprenderam a respeitar os pedestres que cruzavam suas extensa avenidas. Mas é também a metrópole com mais carros por habitante do país. É tanto carro que as guias são insuficientes para o estacionamento. Brasília foi construída para os carros, não para as pessoas. Em lugares a esquina do Eixo Monumental com a rua de acesso ao  Congresso (fica difícil dizer exatamente onde porque as ruas não têm nomes), os pedestres simplesmente não têm por onde seguir. A calçada termina. Quem quiser avançar tem que se arriscar na pista, disputando espaço com o trânsito. E não é o único  problema. Na disputa entre a arquitetura e a funcionalidade, as pessoas quase sempre saem perdendo. A capital foi concebida para ser o maior espaço público do planeta. Mas o povo às vezes atrapalha a institucionalidade. Em função disso, a arquitetura vai se adequando. Um fosso foi construído no Palácio do Planalto.  O Congresso, a casa do Povo, construiu outro por questões de segurança. E há outros fosse menos visíveis, com o que separa o Varjão, o maior enclave de miséria do distrito Federal, do Plano Piloto, a apenas cinco quilômetros de distância. Na pequena vila, os índices de desenvolvimento são compatíveis com os do interior do Piauí. Nos lagos e nas asas do avião de Jucelino assenta-se uma riqueza suíça.  Apesar de todas essas contradições, a população de Brasília rejeita os estereótipos e afirma sua identidade. Hoje foi dia de festa e de manifestações de orgulho de todos os que vieram dar forma a essa metrópole multifacetada.A única coisa inaceitável é o lugar-comum segundo qual em Brasília só Brasília tem muita gente séria, honesta, correta. A essas pessoas, que constroem a verdadeira história da cidade, nossas homenagens. 

 

Related posts

Honduras autoriza missão brasileira no país

PV quer eleger Paulo Coelho para deputado federal

Morre empresário Mario Ermírio de Moraes

Fábio Pannunzio

Leave a Comment