Direitos humanos Manchetes Notí­cias Segurança

Vídeo em que ex-escrivã de polícia é despida em delegacia cai na internet

O vídeo em que uma escrivã de polícia aparece sendo despida em uma delegacia de São Paulo caiu na internet e foi parar no Youtube. Nas imagens, é possível ver a mulher sentada enquanto ouve sucessivos pedidos para que tire a roupa por causa da suspeita de que ela tenha escondido o dinheiro recebido como propina para livrar um homem de investigação. O vídeo foi gravado em 2009. Neste domingo (20), Fabio Guedes Garcia da Silveira, um dos advogados da ex-policial, disse ao G1 que ela não descarta processar o estado por causa da divulgação das imagens.

O caso começou quando um homem envolvido em um inquérito no 25º Distrito Policial, em Parelheiros, na Zona Sul de São Paulo, por ter sido flagrado em posse de munições, procurou o Ministério Público para denunciar a escrivã, que segundo ele havia pedido uma quantia em dinheiro para livrá-lo da investigação.

O Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), acionou a Corregedoria da Polícia Civil.

Flagrante

O homem foi orientado a prosseguir com as negociações com a escrivã e, na data marcada para a entrega do dinheiro, o processo foi acompanhado por policiais da Corregedoria. Após a entrega da quantia, a policial foi abordada e a gravação foi iniciada, conforme disse, neste sábado (19), a corregedora-geral da Polícia Civil de São Paulo, Maria Inês Trefiglio Valente.

De acordo com Maria Inês, o vídeo tem mais de 40 minutos e mostra toda negociação para que a escrivã entregasse o dinheiro, que seria a prova do crime. A gravação foi feita, segundo a corregedora, “para a garantia de todos“, como é comumente feito em ações da corregedoria.

Segundo Maria Inês, a escrivã colocou o dinheiro dentro da calça, fazendo com que fosse necessária a retirada da peça de roupa para a apreensão do dinheiro. A policial chega a ser revistada por uma mulher, mas nada foi encontrado. “O delegado pede que ela entregue o dinheiro, mas ela se recusa. Ele tomou a atitude que tinha que tomar para pegar a prova. Um policial sabe o custo das atividades ilegais dele“, afirmou a corregedora.

Os policiais então decidiram fazer o que aparece nas imagens: algemaram a escrivã e tiraram a roupa dela. No vídeo divulgado, um deles afirma ter encontrado o dinheiro. Ela foi autuada em flagrante pelo crime de concussão e sofreu um processo administrativo, finalizado em outubro de 2010 com sua expulsão da Polícia Civil. Ela ainda responde a processo criminal por concussão e tem audiência marcada para maio.

Após o ocorrido, a corregedoria encaminhou a gravação para o Gaeco. O Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gecep) tomou conhecimento do caso e pediu a fita, que foi então entregue.

Recurso

O advogado Fabio Guedes Garcia da Silveira, que defende a ex-escrivã no processo administrativo – o que resultou na expulsão – contou ao G1 que recorreu da decisão e apresentou recurso, em novembro do ano passado, à Secretaria da Segurança Pública de São Paulo. Até este domingo, ele afirmou não ter recebido resposta.

Silveira pede que a expulsão da policial seja revista porque a prova – o dinheiro – foi adquirida de forma ilícita e, segundo ele, o vídeo não foi exibido para a Promotoria durante o processo. ”O promotor e o juiz não devem ter tido acesso ao vídeo e queremos que as imagens sejam analisadas. Em tese, um erro não justifica o outro. Eu entendo que a prova foi obtida por meio ilícito, e a revista foi ilicíta”, disse Silveira, citando que o Código de Processo Penal estabelece a revista de mulheres apenas por outra mulher.

Abuso de poder

Um inquérito foi aberto para apurar um possível abuso por parte do corregedor. “O promotor diz que não houve crime e não houve elemento subjetivo para crime de abuso. Os promotores do Gaeco se manifestaram da mesma forma. O Judiciário disse que eles usaram a força adequada”, explicou Maria Inês. O inquérito foi arquivado em janeiro de 2010.

De acordo com a corregedora geral, o caso não foi divulgado na época para preservar a imagem da escrivã.

via G1 – Vídeo em que ex-escrivã de polícia é despida em delegacia cai na internet – notícias em São Paulo.

Comentários

Related posts

Guerra de novelas

Câmara ensaia absolvição de deputados da bancada de Cachoeira

Lula se reúne com cúpula do PT para discutir eleições

Bruna Pannunzio

2 comments

Jorge 05/07/2011 at 15:59

após ficar nua… o video é bem claro que não há absolutamente nada nem na calcina nem nas intimidades dela, pois a câmera foca bem nitidamente! após o delegado com as mãos fechadas vai em direção a calcinha e diz encontrar as supostas notas. Mas ela não recebeu uma propina?? deveriam ser notas verdadeiras, mas R$ 200,00 talvez seria um custo alto pro bolso de quem quis armar o flagrante pra escrivã, porque não notas falsas?? não sairia do bolso de ninguem e é mais um agravo pro flagrante da escrivã! mas porque não deixou uma policial revistá-la sem a presença dele? seria loucura abordar uma escrivã desta forma sem provas né! o uso de força bruta pra camuflar o flagrante (dinheiro que já estava na mão do delegado) foi uma jogada fenomenal(acho que fez curso de mágica… mas muito mal feito), sem contar que as notas estão novíssimas e sem amassos, pra colocar dentro da intimidade pelo menos deveria ter alguns amassos, rsrs.

Reply
CUNHA 01/03/2011 at 21:12

VCS VIRÃO,NO VIDEO,COMO A ESCRIVÃ FOI TRATADA,VCS, TEM QUE VER COMO OS POLICIAIS,QUE VÃO ATÉ A CORREGEDORIA,AS VEZES COMO TESTEMUNHAS,SÃO TRATADOS, COMO BANDIDOS,OU MELHOR OS BANDIDOS,QDO VÃO ATÉ LÁ PARA,FAZER UM RECONHECIMENTO, SÃO TRATADO COM CHA,BOLACHA ETC,LÁ OS DELEGADOS FAZEM ,TORTURAS PSICOLOGICAS,AMEAÇAM,OS POLICIAIS ,POR DESACATO,SE O POLICIAL OLHA,PARA ELES ,ELES JA DIZEM QUE ESTÃO AMEAÇANDO-OS

Reply

Leave a Comment