A divulgação do vídeo que mostra delegados da Corregedoria da Polícia Civil de SP tirando à força a calça e a calcinha de uma...

A divulgação do vídeo que mostra delegados da Corregedoria da Polícia Civil de SP tirando à força a calça e a calcinha de uma escrivã durante uma revista abriu uma crise dentro da instituição.

Durante a reunião semanal do Conselho da Polícia Civil, na manhã de ontem, a corregedora-geral Maria Inês Trefiglio Valente, que apoiou a ação dos quatro delegados corregedores que investigaram a escrivã V., foi pressionada publicamente a deixar o cargo por 5 dos 23 delegados da cúpula da instituição, segundo apurou a Folha.

A corregedora foi procurada ontem pela reportagem, mas não quis se manifestar.

A crise interna na Polícia Civil foi impulsionada porque a divulgação da gravação da operação policial foi destaque em todo o país. Os envolvidos foram afastados.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou, após a divulgação das imagens, que o vazamento do vídeo na internet era “grave”.

A pressão contra a corregedoria teve início em agosto de 2009, quando o secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, desvinculou o órgão fiscalizador do controle do delegado-geral e o levou para seu gabinete.

Desde então, a corregedoria passou a intensificar a fiscalização da ação dos policiais, principalmente dos que não são próximos do secretário e dos membros da própria corregedoria.

Hoje, na Assembleia Legislativa, alguns deputados já articulam para que a corregedoria volte para o controle do delegado-geral.

O CASO

Em junho de 2009, a escrivã V. foi alvo de uma ação da corregedoria no 25º DP (Parelheiros). Ela foi acusada de cobrar R$ 200 de propina para favorecer um suspeito de portar munição.

Na investigação, eles negaram ter cometido qualquer abuso. A escrivã foi expulsa da polícia e agora tenta reverter a decisão.

(ANDRÉ CARAMANTE)

via Folha de S.Paulo – Vídeo do caso da escrivã abre crise na Polícia Civil de SP – 24/02/2011.


  • Rosangela

    24/02/2011 #1 Author

    será que se esta mulher fosse uma parente deles, eles iriam gostar desta situação?
    eles ficariam quietos? e achariam normal?

    Responder

  • Luciano Prado

    24/02/2011 #2 Author

    Apertem os cintos: Alckmin, “lostinho” da silva no caso da sevícia a escrivã.

    Responder

  • Jorge – SP

    24/02/2011 #3 Author

    O vídeo foi enviado pela OAB para o gabinete do governador, é mole? o mínimo que deve fazer para se resguardar, se é que isso é possível, é exonerar o SSP imediatamente.

    Mas defendo também algum tipo de punição aos membros dos outros poderes que foram coniventes com os fatos. Ora, a OAB enviou cópia dos DVD's para o MP e para o Presidente do TJ/SP.

    Sei que existe a independência do órgão Jurisdicional e do parquet e isso deve ser respeitado, mas neste caso não se trata de um posicionamento sobre alguma tese jurídica, mas sim de clara e evidente ofensa aos princípios constitucionais, um óbvio atentado ao Estado de Direito. Qualquer Juiz ou Promotor percebe isso com 1 minuto de vídeo (a menos que por algumo motivo escuso não queira). Por isso se esses DVD's chegaram mesmo nas mãos dessas autoridades e nada foi feito, alguma porvidência tem de ser tomada sim pelo Conselho Nacional de Justiça e pelo Conselho Nacional do Ministério Público.

    Responder

  • Luciano Prado

    24/02/2011 #4 Author

    "O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou, após a divulgação das imagens, que o vazamento do vídeo na internet era “grave”."

    Nos países árabes os ditadores também acham gravíssima a divulgação pela internet do que ocorre por lá. Para eles tudo estaria perfeitamente normal se não houvesse internet e se nada fosse publicado.

    Quanto a Polícia Civil de São Paulo, só merecerá o respeito da população quando a instituição deixar de permitir a interferência política e de fato passar a fazer polícia.
    E o caminho é um sindicato forte e representativo. Do contrário continuará a ser uma associação entre amigos (do governador).

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *