Comportamento Direitos humanos Notí­cias

PM mulher tentou impedir delegado que tirou roupa à força de escrivã

V.F., de 29 anos, se diz traumatizada até hoje com a humilhação a qual foi submetida. A ex-escrivã de 29 anos se diz traumatizada até hoje

Relatório do Ministério Público Estadual revela que uma policial militar chamada por policiais civis para revistar a escrivã suspeita de corrupção em 2009 tentou vistoriá-la no banheiro da delegacia, na companhia de uma guarda-civil metropolitana, sem a presença masculina, mas foi impedida pelo delegado da Corregedoria que comandava a ação.

O documento da Promotoria foi obtido pelo G1. A ex-escrivã, expulsa da corporação, foi despida à força por um delegado da Corregedoria da Polícia Civil e filmada nua pela equipe dele, formada por homens, dentro do 25º Distrito Policial, em Parelheiros, na Zona Sul de São Paulo.

saiba mais

*

Governo transfere corregedora após vídeo de ex-escrivã despida à força

* OAB diz ter avisado governo sobre vídeo de ex-escrivã despida à força

* MP apura suposto abuso policial em ação que despiu escrivã em delegacia

Em seu depoimento, a policial militar disse que o delegado alegou que ele precisava acompanhar a revista, exigindo que a escrivã se despisse na sua frente. A testemunha afirmou que a suspeita se recusou, dizendo que só iria tirar a roupa para mulheres.

Mas o delegado arrancou a calça e a calcinha da escrivã, que ficou nua na frente da policial militar, de uma guarda-civil metropolitana, de uma mulher e de pelo menos quatro delegados. Em seguida, o delegado da Corregedoria mostrou R$ 200 que disse estar com a escrivã e a prendeu. O dinheiro, segundo a acusação, foi pago à escrivã por um suspeito de porte ilegal de arma para favorecê-lo no inquérito.

“A testemunha solicitava ao delegado da Corregedoria para fazer a revista pessoal (…) no banheiro existente no local. Porém, o delegado exigia que ela se desnudasse na frente dele. Referido delegado não deixou que a testemunha realizasse a revista pessoal (…) no banheiro porque ele dizia que, por ser o condutor, precisava acompanhar a diligência. Na sala também estava uma guarda-civil metropolitana para auxiliar na diligência e uma outra mulher. Por fim, (…) se jogou no chão e referido delegado a segurou pelas pernas e arrancou as calças dela, arrancando também a calcinha, permitindo que todos vissem seus pelos pubianos”, disse a policial militar em depoimento ao Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gecep), que instaurou procedimento para apurar eventual crime de abuso de poder e violação de direitos durante a prisão em flagrante da escrivã.

via G1 – PM mulher tentou impedir delegado que tirou roupa à força de escrivã – notícias em São Paulo.

Comentários

Related posts

No mensalão, um abraço de afogados

Comissão aprova reajuste de salário de ministros do STF

Fábio Pannunzio

Ministro Miojo pede demissão do Min. da Integração

Fábio Pannunzio

2 comments

PERPLEXO 03/03/2011 at 01:20

Todos que estavam presentes naquela sala, devem ser individualmente responsabilizados e punidos, pois, de alguma forma, pecaram por ação ou omissão.

Reply
INDIGNADO 27/02/2011 at 17:22

PANNUNZIO, O VÍDEO É CLARO! A POLICIAL MILITAR PARTICIPOU ATIVAMENTE DA BARBÁRIE, POIS FOI ELA JUNTAMENTE COM O DELEGADO EDUARDO QUE DESPIRAM Á FORÇA A ESCRIVÃ. ELA TAMBÉM DEVE SER IGUALMENTE RESPONSABILIZADA E PUNIDA, HAJA VISTA QUE OS POLICIAIS MILIATARES, VIA DE REGRA, AGEM SOB COMANDO. ESSA POLICIAL MILITAR CIENTIFICOU SEU SUPERIOR HIERÁRQUICO DE QUE IRIA PARTICIPAR DE TAL AÇÃO? AGIU À REVELIA DE SEU COMANDANTE IMEDIATO? ALÉM DISSO ELA NÃO TEM VÍNCULO HIERÁRQUICO COM O DELEGADO DE POLÍCIA, BEM COMO, MESMO QUE TIVESSE, TODO POLICIAL TEM CIÊNCIA DE QUE NÃO DEVE CUMPRIR ORDEM ILEGAL. PENSO QUE O COMANDO DA PM DEVE ANALISAR SUA CONDUTA.

Reply

Leave a Comment