Depois de admitir que os núcleos de dois geradores nucleares podem ter derretido, o governo japonês alerta para a possibilidade de uma nova explosão,...

Depois de admitir que os núcleos de dois geradores nucleares podem ter derretido, o governo japonês alerta para a possibilidade de uma nova explosão, desta vez no reator número 3 da usina de Daiichi Fukushima. A fusão ou derretimento do núcleo de um reator é uma situação extremamente grave e pode provocar o vazamento de material radioativo para o meio-ambiente.

De acordo com a CNN, Yukio Edano, chefe de gabinete do governo, declarou que “existe a possibilidade de que o reator número 3 esteja acumulando gás de hidrogênio, que poderia potencialmente causar uma explosão”.

Na madrugada de ontem, o aumento da pressão interna levou a uma explosão que arrancou o teto do prédio que abrigava o reator número 1. Os técnicos foram obrigados a liberar gás radioativo para evitar que a situação saísse completamente do controle.

Os trabalhadores da usina nuclear correm contra o tempo para tentar evitar uma catástrofe, mas não conseguem se aproximar o suficiente dos reatores para saber exatamente o que se passou depois que as instalações foram atingidas pelo terremoto e pelos tsunamis que se seguiram a ele.

Para reduzir a temperatura e a pressão dentro dos reatores, técnicos da usina de Fukushima inundaram os núcleos radioativos com água do mar. A medida foi considerada “um ato de desespero” por estudiosos norte-americanos porque pode resultar em liberação de material radioativo. Caso isso esteja ocorrendo, aumentam exponencialmente as chances de contaminação, que pode contribuir para o aumento da incidência de cancer entre as 200 mil pessoas que vivem num raio de até 20 km. do complexo termonuclear.

Até agora, nove funcionário da planta de Fukushima foram expostos ao material radioativo.

O Japão tem 54 usinas nuclares em funcionamento, todas elas situadas em áreas sujeitas à ocorrência dee terremotos. Com o colapso da unidade de Fukushima, a Companhia de Eletricidade Tóquio foi autorizada a promover blecautes controlados para forçar uma redução no consumo de energia.

 

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *